Tontura : Que tipo é a sua?

É a terceira queixa mais comum nos consultórios médicos do Brasil, depois de dor de cabeça e febre.

E, assim como os outros dois, a tontura pode ter inúmeras causas ( mais de 300 quadros clínicos podem levar a essa sensação de desconforto ). Portanto quem ainda não teve, é quase que certo, que em algum momento da vida, terá sinais como falta de equilíbrio, sensação de possível queda ou de que a cabeça está girando.

Os sintomas mais comuns envolve a falsa sensação de movimento ou de rotação ( vertigem ), sensação de desmaio, perda de equilíbrio ou instabilidade, sensações de flutuar, nadar, pode acompanhar náuseas e vômitos, dificuldade de andar e ficar de pé, sonolência.

Os sintomas geralmente desaparecem ou melhoram ao se deitar e ficar parado e pioram quando se levanta ou anda.

Apesar de ocorrer em qualquer faixa etária, é mais evidente entre os adultos mais velhos.

Causas

Existem diversas causas de tonturas, mas nem sempre é sinônimo de Labirintite, apesar desse diagnóstico, ser empregado erroneamente na maioria dos casos na prática clinica diária.

Existem as doenças do aparelho vestibular ( vertigem posicional paroxística benigna, doença de Ménièri, inflamação ou infecção do ouvido interno, neurinoma do acústico ), enxaqueca, anemia, doenças cardíacas ( arritmia ou miocardiopatias ), pressão baixa ( hipotensão postural ), diabetes, síndrome vasovagal ( disautonomias ), problemas de tireóide, distúrbios sensoriais, problemas musculares e articulares, condições neurológicas ( TCE, AVC, hemorragia cerebral, esclerose múltipla ), efeitos colaterais medicamentosos, crises de ansiedade ou ataque de pânico, problemas psicológicos, abuso de álcool, cafeína, tabaco e outras.

Cerca de 40 % dos casos de tonturas se devem a doenças do aparelho vestibular, 25% não são verdadeiramente tonturas, trata-se de pré-síncope e desequilíbrios, 15% a distúrbios psiquiátricos, 10% são devidos a lesões cerebrais e 10% de origem indeterminada.

Diagnóstico

Em cerca de 60% dos casos é possível definir o diagnóstico apenas com o exame clinico e a entrevista com o paciente sobre as características da sua tontura, para confirmação diagnóstica podem ser realizados exames complementares de acordo com a suspeita clínica específica.

Tratamento

A terapêutica vai depender do diagnóstico etiológico da tontura, ou seja, o tratamento da causa, tratamento sintomático, reabilitação vestibular, orientações.

A escolha da medicação depende de cada caso ( idade, doenças e sintomas associados, etc ). Lembrando que nenhuma medicação é isenta de efeitos colaterais, portanto deve-se evitar a automedicação.

Nesse casos, procure sempre um médico.

Um comentário em “Tontura : Que tipo é a sua?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *