O que é demência vascular?

A Demência Vascular é uma doença em que a perda de habilidades como pensar, memorizar, raciocinar acontece de maneira muitas vezes de forma repentina e apenas parcialmente reversível, devido à falta de irrigação do cérebro por entupimento ou rompimento de vasos no cérebro. Estima-se que esta seja a segunda causa mais comum de demência, sendo que a primeira é a doença de Alzheimer.

Causas

A Demência Vascular é causada por uma série de pequenos derrames cerebrais (AVC). O derrame (infarto) é a interrupção ou o bloqueio do fluxo de sangue para qualquer parte do cérebro. Multi-infartos significa muitos derrames e muitas áreas de lesão. Se o fluxo sanguíneo for interrompido por mais de alguns segundos, as células cerebrais podem morrer por falta de oxigênio. Essa lesão em geral é permanente.

Sintomas

Podem apresentar desde o início alterações importantes do comportamento (agressividade, comportamento social inadequado), ideias delirantes, alterações do humor (como depressão ou apatia), da fala e linguagem, dificuldade de planejamento, organização, de abstração, prejuízos sociais e ocupacionais significativos. Alterações no exame neurológico podem estar presentes desde o início do quadro, mesmo que discretos nos quadros subcorticais e mais exuberantes nos AVCs múltiplos. O aparecimento de incontinência urinária pode surgir mesmo na fase inicial da doença.

Diagnóstico

A Demência Vascular é habitualmente diagnosticada através de um exame neurológico e técnicas de imagiologia cerebral como a tomografia computorizada (TC) ou a ressonância magnética (RM). A Demência Vascular pode ser muito difícil de distinguir de outras formas de Demência. Algumas pessoas têm os dois tipos de Demência: Doença de Alzheimer e Demência Vascular.

Existe tratamento?

É importante saber que não há nenhuma medicação que trate diretamente a doença e faça com que o paciente volte a ser o que ele era antes. O tratamento é direcionado aos sintomas do paciente. Trata-se com medicamentos específicos os transtornos do humor, os quadros delirantes e de agressividade, os distúrbios do sono.

As medicações conhecidas como anticolinesterásicos e a memantina (inibidor do receptor MNDA) utilizadas para o tratamento de doença de Alzheimer podem ser úteis em casos cujo comprometimento subcortical é importante, porém ainda faltam evidências que comprovem sua eficácia na Demência Vascular. Não há nenhuma indicação para o uso de vasodilatadores cerebrais para essa doença.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *